Gravidez na adolescência. Veja o que fazer!

Gravidez na adolescência. Veja o que fazer!

17 de março de 2020 Off Por Carla Gomes
jovem descobrindo gravidez na adolescência

A descoberta da gravidez pode ser assustadora

Um filho não planejado costuma ser muito desafiador. E quando se fala em gravidez na adolescência, ainda mais. Por isso, é importante saber o que fazer a partir do momento em que surge aquele sinal de positivo e a barriga começa a crescer.

No Brasil, a opção de interromper a gestação não existe. Portanto, as jovens brasileiras que engravidam precisam seguir com a gravidez. E é baseado nessa lei que reunimos todas as demais informações desse texto.

Ao descobrir que você vai ter um filho, comece respirando fundo e então veja o que mais é importante a seguir!

Converse com o pai do bebê sobre a gravidez na adolescência

Não é raro que a gravidez na adolescência seja fruto de um relacionamento rápido. Como se trata de uma época em que os namoros duram menos tempo, muitas meninas acabam sem saber como agir. A questão é que não importa se vocês pretendem ficar juntos ou não, é importante conversar com o pai.

Durante anos, existia uma obrigatoriedade para que o homem casasse e assumisse a família. Atualmente, porém, o importante é que ele se responsabilize pela criança, tanto financeira quanto emocionalmente. Se a segunda opção não for possível, há que se garantir que ele cumpra a primeira obrigação. Para isso, não hesite em procurar ajuda jurídica.

Vá a um médico para avaliar a saúde

jovem fazendo pré-natal

Fazer o pré-natal é indispensável

Além de auxílio legal, a gravidez na adolescência demanda ajuda médica. O que acontece é que, dependendo da idade, o corpo feminino ainda não está completamente pronto para a gravidez. E isso inclui inclusive cuidar da saúde mental, sabia? Mas antes de falar da importância do cuidado psicológico, considere que o pré-natal é indispensável.

A questão é que, independentemente do fato de a gestação ser desejada ou não, é preciso garantir que ela aconteça da melhor forma. Ao conversar com o especialista, será possível estabelecer quais remédios e suplementos são necessários. É por meio desse auxílio que mãe e bebê vão garantir seu bem estar durante os 9 meses.

Cuide da sua mente

A insegurança trazida por uma gravidez na adolescência nem sempre é levada a sério. Mesmo que o filho tenha sido resultado de um acidente, a jovem precisa estar preparada para passar pela gestação. Na prática, isso significa ter tranquilidade e segurança.

Principalmente quando não há apoio familiar, é essencial conversar com um psicólogo ou mesmo psiquiatra. Os casos de depressão pós parto costumam ser mais comuns em situações em que a gravidez não foi planejada. Portanto, ainda que não se trate de um momento sonhado, é preciso ficar atento.

Fale sobre a gravidez na adolescência com alguém da família

menina contando sobre gravidez na adolescência

Contar para os pais é difícil, porém, necessário

Criar uma rede de apoio é outro ponto indispensável. Quando acontece a gravidez na adolescência, muitas meninas se veem sozinhas. Se houver rejeição da família, o Núcleo Ampliado de Saúde da Família e Atenção Básica (Nasf-AB), nas Unidades Básicas de Saúde brasileiras está pronto para dar o auxílio necessário. Contudo, o ideal é que não seja necessário, embora ainda exista algum preconceito.

Uma pesquisa realizada pelo Departamento de Enfermagem Materno-Infantil e Psiquiátrica da Escola de Enfermagem da Universidade de São Paulo – USP apontou que o processo de rejeição costuma envolver 3 pontos:

  • a família acusa a adolescente de não ter ouvido seus conselhos;
  • os filhos nunca receberam qualquer orientação sobre controle natal;
  • a vergonha faz com que jovens sejam colocadas para fora de casa.

Felizmente, porém, esse tipo de comportamento vem se transformando. Não é raro que a mãe, agora avó, sirva como ponte de acolhimento. Ainda que a reação inicial seja negativa, há mais diálogo. Especialmente porque há situações em que a gravidez na adolescência não é necessariamente precoce. Uma gestação aos 19 anos, por exemplo, possui mais maturidade do que aos 15.

Qualquer que seja a situação, cabe à adolescente não esconder a gestação e a barriga. Usar roupas apertadas ou faixas tende a ser perigoso tanto para a mulher quanto para a criança.

Evite o desespero ao descobrir a gravidez na adolescência

desespero com gravidez na adolescência

Busque um ombro amigo para evitar o desespero

Por mais que a gestação seja indesejada, ela não representa o fim da sua vida. Ou mesmo um problema que você não possa resolver. A gravidez na adolescência vai impor alguns limites e trazer dificuldades. Entretanto, se você buscar ajuda especializada, terá uma capacidade maior de passar pelo período mais tranquilamente.

Se sua intenção for ficar com o bebê, comece planejando sua vida financeira. Você terá, pelo menos 7 meses para trabalhar e tentar guardar dinheiro. Não é preciso solucionar tudo de uma hora para outra. Tenha em mente que a gestação é apenas temporária e que o bebê só fará parte da sua vida se você quiser.

Planeje suas decisões

Novamente, vamos reforçar o fato de que o aborto não é permitido legalmente no Brasil. Portanto, as decisões e escolhas são mais reduzidas do que em outros países. Ainda assim, há que se dizer que a gravidez na adolescência não pressupõe ser mãe na adolescência.

Apesar de a maioria das mães optar por ficar com o bebê, a adoção é sempre uma opção relevante. Embora o processo seja burocrático por aqui, a chance de um recém nascido encontrar uma família em poucos dias ou horas é grande. Portanto, é preciso planejar esse tipo de decisão desde o resultado confirmado.

Se não houver condições financeiras, emocionais, e até mesmo afetivas para ter um filho, não há porque forçar a situação. Existe uma fila de adoção esperando pela chance de receber um bebê em sua família.

Previna a gravidez na adolescência

camisinha

Os métodos contraceptivos são a melhor forma de evitar a gravidez

Por mais que pareça repetitivo, é preciso lembrar que a prevenção é o melhor remédio contra a gravidez na adolescência. E embora o governo federal incentive a abstinência, a verdade é que o jovem precisa de mais informações e cuidados para se prevenir.

É importante sempre usar algum método anticoncepcional durante a relação sexual. E, sempre que possível, pelo menos dois métodos diferentes. Vale usar, por exemplo, o anticoncepcional e a camisinha. Ou o DIU e a camisinha. Lembrando que a camisinha é a forma mais eficiente de combater também as doenças sexualmente transmissíveis.

A gravidez na adolescência ainda é uma realidade brasileira. Quando não há prevenção, o importante é buscar ajuda especializada assim que a gestação for confirmada. Só assim será possível garantir a saúde física e mental da jovem e da criança.

Tem mais alguma dica importante sobre como agir nesse momento? Aproveite para deixar um comentário falando sobre o que você acha mais importante!